domingo, 5 de setembro de 2010

Molly's Chambers ?

.


Hoje me apaixonei pela garota que usa um lápis preto de tabuada.
A garota que gosta de "Kings of Leon". Conheci ela no avião, ou no cinema.
Provavelmente os dois. Fugimos para a Guatemala.
Bebemos tequila e fumamos charutos cubanos. Assistimos ao grande show
sem pagar nada, olhando, pelo elevador panorâmico.
Nos beijamos sob o soar do alarme.
Mas não sem antes sacanear um vendedor inocente e dançar "twist" com a música
dos auto-falantes da loja de infinitas variações.

Por alguma razão, sua aparência parecia inconstante.
como que, com o tempo ou por alguma fuga nossa, irrelevante, ela tivesse que mudar.
Poderíamos estar fugindo de alguma coisa, ou alguém ?
Lembro de seus cabelos longos, deles compridos ou ruivos ou negros.
Lembro de suas roupas, infindáveis cores.

"Kings of Leon" ?  Talvez fosse outra banda. Ouvimos tantas coisas...
Desde "Doris Day" até "Elvis", passando por "Lester Young",
"Miles Davis", "Frank Sinatra", "Duke Ellington",
"Beatles", "Franz Ferdinand"...
"Devendra"...
o resto eu não sei, ou... ah, deixa pra lá.
Enfim...

Acho que vivemos muito tempo. Fugimos muito tempo.
Eu não sabia de onde a conhecia  (a garota do lápis).
Era como se já tivéssemos nos encontrado antes,
ou em outra vida.
Sem que soubéssemos.
Lembro de falar-lhe sobre outra garota...

"Eu estava aqui, indo em direção à escada rolante, distraído, olhando para meus pés,
talvez triste, não lembro, quando, ao levantar meus olhos...
encontrei a garota que pareceu, por muitos meses, ou anos... a mais linda.
Nossos olhos se amaram opacos, nublados e distantes poucos
segundos, ou milésimos.... como se trocássemos cartas.
Cartas com seu perfume. Telegramas ? O código morse de nossa pálpebras.
Virei, tímido, o meu rosto e pisei no chão que descia, da escada.
No meio do caminho olhei para trás mais uma vez.
Para nada. Ou tudo.
Virei só pra encontrar um espaço vazio onde ela estava antes." disse.
"Talvez ela fosse você" continuei.

E a garota do lápis só ria.
Nesse dia, como estávamos bobos.
Foi logo antes de entrar na loja... e dançar.

Você, leitor, ouvinte, pessoa. Você acredita em sonhos conjuntos?
Por alguma razão eu, acordei com a certeza de que essa garota do lápis
deve existir de verdade.
E um dia, espero,
nos lembraremos de nosso sonho, nossos sonhos...
E nos encontraremos.

Com os olhos opacos, nublados...


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário