sábado, 22 de maio de 2010

horror letárgico

.


A constante tortura
do manhoso letargo

É notavelmente
pior que a insônia
infernal, de anteriormente

Que me perseguia insensata
porém, produtiva.

Aflige-me a dívida com o tempo
em que meu corpo clamou
pelos olhos cerrados

ignorado

A angústia do cansaço
convertida em agônia
é um reflexo de pecados
contra este tempo

Cabisbaixo, não por tristesa.
Apago, a face comprimida
contra dura mesa

e as rubras espirais
são demarcadas
em carne macia

a secura na garganta

o horror
o horror do sono


.



.

Nenhum comentário:

Postar um comentário