sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

twist


A pequena de cabelos cacheados olha carinhosamente para o estranho objeto no meio da sala de sua casa. Ele não se move. Nunca ninguém saberá o que se passa na cabeça de quem não se comunica. No caso, de quem não consegue se comunicar. Curta é a compreensão que temos da complexidade dos infantis pensamentos. Pois, pois bem, nesse dia foi um pouquinho diferente.

E Da mesma maneira como a pequena sorriu ao ver o objeto.
O objeto sorriu ao ver a criança.

Tudo depende, o objeto diz para ela, com sua voz amorosa 
-Ele é um liquidificador- .
De vez em quando, até mesmo um eletrodoméstico falante pode não parecer algo tão estranho assim (continua ele). Por exemplo, você não gritou, você não parece assustada. Talvez você não entenda nada do que eu digo. Talvez você não conheça o mundo suficiente para pensar algo como.

HEY, aquele liquidificador ta falando, MANHÊ !

Bom. O que eu posso fazer ?
Falar. Falar. Falar.
Nem liquidificar eu consigo mais.

Aquelas pedras que seu irmão colocou em mim outro dia quebraram as minhas pás.

Acho que por isso eu vou ser jogado fora.
Imagina só ...
passar a vida inteira trabalhando nessa casa para ser jogado fora assim ...
de um dia pro outro.
Escuta criança.

Sua família não liga pro esforço dos outros não.
Não liga pro sofrimento que é quebrar gelo pra caipirinha 
ou pra fazer milkshake.

Nããão ... isso não é nada pra eles.
Desculpa, desculpa. Não devia ter falado essas coisas.
Como é que seu irmão fala pros amigos?
Abstrai.

Porque você ta me olhando assim ?

Eu sei que é estranho.
Eu to no meio da sala.
Alias, do lado da porta da saída.

O que não é nada muito comum pra um liquidificador. Minha locação é quase tão estranha quanto a minha estranha capacidade de falar.

Alias... você fala garota ?
 você é bem calada, isso com certeza.

Bom, tanto faz. Vou ser jogado fora mesmo.
O que pensam sobre mim não me importa muito mais.
Se é que você entende alguma coisa que eu falo.

Vou ser Descartado
Talvez... parcialmente reciclado.
Talvez eu até volte pra essa casa.

Não sei... como latinha de refrigerante ou ... sei lá... algo mais chic né ?

tipo... uma televisão ou ou um computador.

Por que o demoniozinho que é seu irmão colocou aquelas pedras em mim?
Tenho prestado atenção nele desde o primeiro dia em que ele entrou nessa casa.
 Acho que eu sempre soube que o meu fim viria pelas mãos dele.
 Acho que esse sentimento você não teve ainda não é, garota ?

 o sentimento do fim.

O silêncio reina por um tempo.
Algumas coisas nesse mundo nunca serão explicadas.

E da mesma maneira como o  destruído liquidificador falou com a criança naquele dia.
A criança também falou com o liquidificador.
Sua primeira palavra.

Falar.
Ela diz.

Aww.
Ele diz.
Sua ultima palavra.

Um comentário:

  1. Bizarro. Desde a última vez que eu chequei, liquidificadores não falam.
    Ass: Duque

    ResponderExcluir