sábado, 21 de novembro de 2009

isso ?

.


quanto mais eu penso.
mais chego a conclusão de que a brincadeira,


de que a brincadeira nada mais é do que o espaço perdido.


o espaço perdido entre a verdade e a mentira.



.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

linhas



e a baleia, após seu útimo combate, seu único grande combate, mergulha para as profundezas.
E, na escuridão, se torna um só com o oceano.

Talvês.
Talvês algum dia, pequenas formas de vida (que para ela sempre pareceram bem menos desenvolvidas) possam acabar se misturando com seu corpo.
essa idéia parecia estranhamente confortavél nesse momento.

tão sozinha.

o sangue não escorria de suas feridas.
o sangue se espalhava pelas águas enquanto ela afundava.

uma vermelha núvem de fumaça rubra.

invisível.

é tudo tão escuro aqui.

impacto surdo.

bons sonhos nobre gigante.


.

.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

quanto custa ?



.


Ele era só mais um caixa.


Trabalhava em um supermercado, daqueles bem grandes, daqueles que quase parecem limpos, onde tem peixe quase fresco e onde tudo é quase organizado.


Ele não era bonito, mas, nem tão feio assim. O caixa, digo, não o supermercado.


Sentava em seu posto de trabalho no início da manha e ia embora ao fim da tarde (com um pequeno intervalo ao horário do almoço, no qual, sempre comia a mesma mesma refeição)


Sua fraca condição física (e acadêmica) impedia-o de exercer algum outro emprego.
Algum outro emprego que demandasse mais de sua condição física (e acadêmica), digo.


Era o único.
O único homem entre as outras pessoas no mesmo posto que ele.
  Nunca fora bom na proximidade com o sexo oposto.
     Sempre fora tímido demais, fechado demais.


Faltava-lhe autoconfiança.


E agora, não tinha nenhum(a) amigo(a) de trabalho.




sexta-feira, 13 de novembro de 2009

friday 13










detalhe da granja do meu amigo carlos.
sim... uma estatueta perdida no meio da grama, no meio do nada.

podia chamar essa de... colheita do nada. nah... muito tosco.



.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

woody allen ?




é.
aqui não ficou tão parecido.

...

alias ... nada parecido.
.

new flowers


na minha varanda.
laranja.
brilham de manha.
se vão a noite.
não tenho muito o que falar.

não sobre elas.



.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

porcaria

esse post é só mais uma bela porcaria. que nem os outros dois, que no caderno ficaram bons ... mas aqui ... nem tanto. chego a conclusão, de que uma coisa é escrever em um caderno, com desenhos e jeitinho, e outra é escrever um texto para por no blog. Desculpa. ja já melhoro o conteudo.

domingo, 1 de novembro de 2009

texto

.



Sou Eu.

aqui.

leia-me.
sou feito de simbolos.
unidos.
letras, soltas e encaixadas.

palavras.

eu

sou o que você acha que sou.
não passo disso.

tudo isso.

- edit -

sou um lixo.
um bicho
sem pé nem cabeça.
esqueça.
continuo o texto acabado.
comvexo complexo.
qual a matéria de física agora ?

tudo isso.
me perco.
o texto concerto.
concerto ?
mozart
bach
art.
pop art.
atirar
matar.

e tu ?
o que tu é ?
mais do que nada ou menos do que tudo ?
talvês nenhum dos dois.
me conta depois.



.





.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

o mago

O mágico deprimido
Alegra as pessoas
com suas mentiras.

Artista.

Incrível !

Pra ele é só mais uma terça.
nada demais.

agradeça.

vai embora.
senta e chora.

liga a tevê
e assite um desenho animado.

O coiote ainda corre atraz do papa léguas
mesmo depois de todas as tentativas falhas.
mesmo depois de todo esse tempo.
ele sabe que de certa forma, ele nunca vai chegar ao papa léguas.
mas mesmo assim, continua persistindo, como se a esperança, mesmo que surreal, fosse a unica coisa que sobrara.

E ele, o mágico, ele continua perseguindo alguma mágia de verdade.


.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

o novo

.



Caricatura.

É o que ele é.
Uma fraca e desgasta caricatura do que ja fora em tempos passados.

E este era novamente mais um repetitivo dia de sua ridículamente repetitiva vida moderna.

Até que Jorge escutou um barulho vindo do lado de fora de sua janela.

Uma música.

E isso trazia tantas memórias.
lembrava-se dos tempos de prazeres e glórias.

Um novo jóvem adulto se mudara para o prédio da frente.
Jorge vira os móveis sendo carregados portaria a dentro dois dias antes.
pelo menos agora, a algazarra e os berros importúnios dos ultimos sois eram compensados pela alegria musical do brevemente pós-adolescente.

Os alegres altos do Jazz, a breve gaita de um blues, ao incrível que pareça, violinos, lindas vozes e o som de alguns destes novos instrumentos eletrônicos ecoavam por de traz da rua.

Leves, baratas, e cômicas janelas, vibravam descontroladas - o apartamento inteiro pareceu surpreender-se com o deleite de seu novo dono, e dançava, então, ritmado, junto aos sons do poderoso alto falante - Inalguração. Ao que parecia, o novo morador se divertiria esta lua.



.
.

dormir dormir dorme ... e você só sonha nisso ?

.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

capítulo 2


.

Odeio filas.
Odeio mesmo.
E se os ingressos acabarem antes que eu chegue ao caixa?
Essa fila parece não andar.
Tédio.
Onde aquele cara foi?
Já faz algum tempo desde que ele saiu.
Tem fila pra comprar ingresso...
Deve ter fila pra comprar o refrigerante também.
Estou com um pouco de fome.
Tenho dinheiro?
Será que aquele cara vai trazer pipoca também?
Não aquento mais essa fila.
Acho que tem alguns trocados no meu bolso.


-Hei, você!
Alguém diz, atrás de mim.
Será que é comigo?
Olho para traz.
Deparo-me com uma garota, olhando diretamente para mim.

-Eu?
Digo, ao vê-la.

-É, você. Você parece com o cara do filme.

-Pareço é?
Respondo.

Ela sacode a cabeça, gentis movimentos verticais, seus cabelos balançam.
Gosto de seu perfume.
Não esperava que algo desse tipo acontecesse.
Não esperava que alguém viesse falar comigo.
Acho que o cara do refrigerante também não.
O que eu digo agora?
Sinto como se não conversasse com ninguém a um bom tempo.
- Bonito?

- Quem?

- O cara do filme.

- Você quer saber minha opinião sobre ele? Ou sobre você?
Seu rosto se dobra em um sorriso e seus olhos fogem para os lados.

- Você não disse que éramos bastante parecidos? Porque não dos dois?


- Isso não importa muito.

- Não?

- Acho que no caso dele, a beleza seria só um extra. Sou uma fã, uma boa fã. Acho que por isso não agüentei vir te cumprimentar... Eu sei que deve ter parecido estranho, uma desconhecida  completa aparecer do nada para dizer que você parece com alguma outra pessoa.
Ela inclina sua cabeça levemente para a esquerda.

- Tudo bem, não foi ruim, alias, devo dizer que também sou um bom fã dele. É bom encontrar pessoas que dividam um mesmo ponto de vista que o seu próprio.

- Qual o seu nome?
Ela pergunta.
Qual o meu nome?
Quer dizer, não posso falar meu nome de verdade, ela vai achar que é alguma brincadeira e vai perguntar outro, de um jeito ou de outro, ou pior, ela vai perceber que eu sou o cara do filme.  Preciso de um pseudônimo, um nome falso. Mas, qual?

- Qual o seu nome?
Ela pergunta novamente.

- Alex. Meu nome é Alex.
 Respondo.
- E você?

- Sol.

- Sol? É um nome bem diferente.

- Brigada, eu acho.

- Essa fila anda muito devagar não é?

- Sim. Odeio filas. Muita gente querendo assistir ao filme.

- Quer ir fazer alguma outra coisa... E ver uma seção mais tarde? Eu, Não sei se eu quero ver esse filme agora.

- Minha amiga foi comprar pipoca e me deixou aqui na fila, esperando ela.

- O meu amigo também.

- Vocês iam ao cinema só vocês dois?

- Vocês iam ao cinema só vocês duas?

- Olha... Eu nem sei como eu vim parar aqui.

- Como assim?

- Não sei. Só sei que estava aqui. Mas... Se sua duvida é quanto a minha sexualidade, Por ir ao cinema acompanhado somente de um outro homem. Digo que este não é o caso. E quanto a você?

- Espera. Ainda não encaixou, você não sabe como veio parar aqui?

- Sim. Quer dizer, Deixa pra lá. Foi só... Foi só uma metáfora. É, uma metáfora.

- Estranho. Mas, Tudo bem. Eu acho.

- Então, eu vou sair daqui. Acho que não estou pronto, pra ver esse filme. Você vai ficar ai?

-Vou.

- Então, quando um cara com refrigerante e com uma cara de “porra, ele sumiu” aparecer. Diz pra ele que eu fui tomar café. Isso. Ok?

- Acho que sim. E se ele não aparecer?

- Ai eu não sei. Ai você deixa pra lá. Bom, bom filme, Sol. A gente se encontra por ai, eu espero.

Tlefone, preciso poder falar com ela, de algum jeito.

- Tem celular?

- Sim sim, boa idéia.


Procuro por uma caneta nos meus bolsos, lembro de sempre carregar uma caneta, para “despejar”, caso eu tivesse alguma idéia boa.
Achei.

- Tô sem papel, você se importa de escrever no meu braço?
- nem um pouco.

Ela parece se divertir ao escrever o telefone no meu braço.
Pelo menos, o sorriso dela continuava lá.
Acho que eu não estou tão enferrujado assim.

- Ótimo.
Ela tem uma caligrafia bonita.
- Eu te ligo depois. Agora, até mais, Sol.

Abaixo-me, para passar por debaixo da linha azulada da fila, ao seguir, dou mais uma olhada para traz, a amiga de sol estava chegando, ela não me viu. Sol estava olhando para ela. Pipoca doce, a amiga trouxera pipoca doce. Adoro pipoca doce. E agora, acho que vou ir comer alguma coisa.

.


quarta-feira, 30 de setembro de 2009

.


O que você vive ?



.

sábado, 26 de setembro de 2009

mais sobre Jorge

.    




       Dia nublado.

      Jorge levanta de sua cama, com lenta dificuldade. Suas pantufas escuras, clareadas pelo tempo, aguardam seus pés, de aparência frágil. Acender a luz talvês não tenha sido um boa idéia, seus olhos pulsam em agonia. Lamento. Péssimo dia.

       Vai até a porta, recolhe seu infomante do mundo exterior. Senta em sua confortavél poltrona. Alguns poucos muitos anos antes, sua esposa sentava-se com ele de manhã. Ao seu lado, o lugar dela, agora, observava-o com seu olhar gelado. Dona Susana. Nunca tiveram filhos. Não homens, como Jorge sempre quisera.
   
      Jornal.

       Mais dois morrem ao reagir a um assalto. Mais um morre embebedado. Jorge não se importa muito, não muito mais. Quando mais novo, acontecimentos como estes abalavam-o com maior intensidade. A morte agora, já passara por ele tantas vezes, era, Velha companheira de bebida. E cada vez eles eram mais próximos.

     Jorge sabia disso, Jorge sentia isso e Jorge não se importava muito.
     Talvês não fosse verdade, por fora talvês ele estivesse saudável, mas por dentro, vazio.
     Não se importa.

     Suas filhas visitavam-o frequentemente, na cabeça delas.
     A diarista vinha quase todos os dias, se a casa não sujasse. Quando a casa suja, parece que ela       desaparece. Impressão, conhecidência, preocupação desleixada. Nada demais. leva seu prato para a pia. Limpo depois. Vou ao banheiro.

     Espelho. Sem os óculos sou um borrão. Água, para limpar os sonhos. Sua bisavó falava isso. Dentadura. Sinto-me menos réptil. Tartaruga. Velha, Lenta. Clássico cínico, sorriso. A, isso trazia boas lembranças. Fingido. Como isso era útil. As pessoas sempre alegraram-se com sua falsa alegria. Talvês fosse verdadeira, mas Jorge não lembra mais como é, a emoção.

     Afogado pela rotina.
     Sufocado pela repeticão.
     cochilo.
  
     como sua poltrona é boa.




.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

introdução a Jorge.

.


Sorriso,
seu sorriso esbanjava juventude
um portal, para a
alegria da vida passada.

Era
Velho.
Nem tanto.
Mas nem tão pouco.

seu olhar,
profundo.
Intenso conhecimento.

Seu corpo
corcundo.
o peso do tempo.

vive só.
mas não solitário.
ele e ele mesmo.

melhores companheiros.
não há tristesa em seu relacionamento.

rouco.
conversa.
Louco.

Tipo uma pedra.

As vezes sente falta
da sua falecida esposa.
dona susana.

Sua.

Jorge
Mora em
copacabana.

Anda arrastando os pés.
Não usa bengala

" Bom dia seu joão "
" Bom dia seu joão "

repete duas vezes para o porteiro
ao sair do seu prédio.
um daqueles bacanas.

sua face.
nua.

sente frias queimaduras,
pingos de chuva.

e lá vai ele para o bar
da rua

de novo.



.



.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

terça-feira, 25 de agosto de 2009

A promessa

.




Ásperas palavras.
Dor, ao descerem crânio adentro.
Entram, descuidadas.
Parecem percorrer todo seu corpo.
Machucando.
Moendo.

Ao ouvir tais palavras, não se agüenta.
Sente.
Senta.
Se enrola.
Chora.

Sem apoio, sem consolo.
Nada há.
Nada poderia lhe ajudar.
Ninguém.
além dele mesmo.

Era a morte.
A fria morte de sua amada.
E ele sentia algo morrer dentro dele.
Esvaia-se uma parte de sua existência.
Evaporava.

Sangue, transparente.
Escoria de seus olhos.
Caia.
Pingava.
Explosões de sua alma.

Ao ver aquilo se imaginava como o choro.
caido.
derrubado.
quebrado.
Espalhado.
morto.


Estava deitado.
Na rua.
no chão.

Já não se sentia preocupado, como antes estava.
não havia mais porque se preocupar.
Sua preocupação passara.

A morte ficara.

Fria.
Imaculada.
Eterna.

Dor.
Amor.

e então ?



.

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

tchau... se falar embolado e rapido, parece te amo. pelo menos, volta e meia eu confundo. tenso.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

capítulo 1

"Sinto meus pés no chão.
Sinto o chão debaixo de meus pés.
Escuto a algazarra típica de um lugar cheio de pessoas, nada exagerado, o normal eu acho.
Tem mais alguma coisa.
Você escuta isso?
Acho que eu escutei alguma coisa.
Acho que eu escutei alguém falando.

-Seja bem vindo.

Essas palavras ecoam na minha cabeça
Como um sino tocando ao meio dia em uma igreja das grandes.
Mas, como assim? Seja bem vindo?


-Seja bem vindo à fila. Você está indo ao cinema.


-Cinema?
As palavras fogem de minha boca.
Eu tenho uma boca?

-Sim, cinema.

-Mas, por que?
Elas fogem outra vez.
Agora, eu abro meus olhos.
Eu me lembro desse lugar.
Eu me lembro desse cheiro.
Lembro-me deste chão.
Lembro-me destes barulhos.

-Este é o filme da sua vida. Um documentário sobre você mesmo.

Mas eu não lembro dessa pessoa que está na minha frente, falando comigo.

-Eu nunca pensei num filme sobre mim...
Eu lhe digo, sincero.

-Bom, fizeram um.

Responde-me a pergunta que eu não fizera.

-Parece que você foi muito mais interessante do que você achou que era.



Eu, eu era?
Eu, não sou mais?
Interessante?
Eu?
Quem Eu sou?
-Fui?
Digo.

-Sim.
Responde-me outra vez.

Tento falar o que uma pessoa em uma situação normal diria.
Não sei em que situação eu estou.
-E...Quanto custa o ingresso?

-Não se importe com esses detalhes pequenos, essa não é a parte importante. Você nunca se importou com isso, porque se importaria agora?

Pipoca doce, cheiro de pipoca doce.
Melhor, de açúcar queimado.
A fila parece grande.
Parece que ela não está andando.
Parece.
Mas já me desloquei alguns metros desde que me dei por mim mesmo.
Eu acho.
Duvida.
-Você já viu o filme?

-Sim.

-Interessante?

-Diferente, eu diria. Bem diferente. Você se achava interessante?

-Não saberia dizer.
Vejo um cartaz em uma pilastra a minha esquerda.
Vejo um rosto nele.
É este o meu rosto?

-Eles não falam sobre isso no filme?

-Sim, falam.

-Isso... Isso é realmente muito estranho.

-O que é estranho?

-Sinto-me exposto. Estou de pé, não sei nada sobre mim e ainda assim, na minha frente, está uma pessoa que me conhece melhor do que eu mesmo, porque essa assistiu a um filme que conta tudo sobre a minha vida. Não sei o que pensar, porque não sei o que eu pensaria numa hora dessas. Mas você, você deve saber o que eu pensaria, não? E outra, se você sabia a resposta, porque você fez a pergunta?


-Também não sei.

-Tudo bem. Essa fila não vai andar não?

-Devagar. Parece que o filme teve uma boa crítica. Muita gente quer assistir. Bom, Vou ir comprar o refrigerante.

Refrigerante, lembro de gostar de refrigerante. Lembro de sempre beber refrigerante quando eu ia ao cinema. Acho que ele sabe disso.
-Boa.
Afirmo.

-Eu sei.
Responde-me

-Eu sei.
(que você sabe)

-Você fica ai?

-Fico... Tudo bem, eu acho."

terça-feira, 11 de agosto de 2009

NINJA !





Duvido, que alguem descubra a identidade secreta de nosso companheiro ninja da foto.

nós escondemos os mamilos dele, para dificultar a vida de vocês, adivinhadores.

duvida

Se eu sou DEUS da minha própria arte.

será que ela acredita em mim ?

mais um pássárô

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

obscuro



tinta
cabelo
tinta pra cabelo
preta
um pilot
uma caneta bic
passaros voando do lado de fora da janela
sei lá
maluquices normais.

quinta-feira, 30 de julho de 2009

fire !






fogo
copo
água
claro
escuro
cabeça pra cima
cabeça pra baixo
o fogo no copo
o copo de água
fogo ?

terça-feira, 28 de julho de 2009

sol

Luz
Som

Olhos
Bocas
Corpos

Os olhos
na boca

a boca
no corpo

o corpo
dos olhos


cabelos ao vento
o brilho
da lua

frio


casa
lareira
portas fechadas
calor
nenhum vento

o olho no olho
( calor )
a boca na boca
( calor)

o corpo do olho

o corpo da boca

( calor )

o corpo no corpo

calor.


silêncio


escuridão


frio ?

quinta-feira, 9 de julho de 2009

espaço (a)

Só sei que tenho muitas duvidas




e...




poucas


Certezsas.


( é com z ou com s ? )






.

sinais

Sempre preste atenção nos sinais,
você pode até ignora-los,

se você não os ver...
pode acabar machucando alguem.

Mas...

Cuidado, não exagere, as vezes, não são mesmo para serem encontrados.
Procurar demais pelos sinais, também pode acabar machucando as pessoas.

Nada existe.
Só sinais.

a vida é feita de sinais, impulsos criados por todas as coisas a nossa volta
e trasmitidos através de outros sinais.

Sendo que essas coisas também não passam de sinais.

elas gritam

EU EXISTO

e você acredita

Estamos presos a isso.
Se não estivéssemos, acreditariamos em que ?

Por isso, os sonhos são tão atraentes.

No sonho,
você vê poucos sinais,
você "escolhe" os sinais sem querer,
não há mais nada para te confundir
além do que você escolheu.

Nada existe além de o que você quer.


porque...

o sonho é feito por você mesmo,
os sinais são todos seus.

E na imaginação acontece o mesmo.

O sonho, a imaginação.

São páginas de um mesmo livro.

Irmãos.


O trabalho de quem é chamado de "artista" , para mim, parece ser esse :

Juntar : esses dois com a realidade.



Já não sei mais a quanto tempo eu não sonho na minha cama, dormindo.

sinto como se tudo fosse uma coisa só.
e não entendo mais nada.

quarta-feira, 8 de julho de 2009

cubos ?


libellules

Saudades ?














p.s : pq tem "teatro mágico" escrito no canto de cima do desenho de cima ? se alguem sabe.... informeme ;]

quarta-feira, 1 de julho de 2009

esqueleto.





- Rua Guilhermina Guinle - Botafogo - Rio de Janeiro.

fiquei uns cinco minutos olhando pra essa árvore e resolvi tirar um foto .. pq n davamais tempo pra ficar olhando.



foda.

P.S ->

terça-feira, 30 de junho de 2009

peripécias em um restaurante japonês II




esse desenho foi o meu primeiro com molho de soja xD sim. molho de soja. o segundo tá mais em baixo no blog. esse aqui tinha sumido, achei ante-ontem.

adoro desenhar com molho de soja =o

o zoológico




uns desnehos antigos... cumesso do ano passado eu acho. é... é isso .. talvês sejam do meio do ano. Acho que é quando comessei a ter paciência pra desenhar.

sugestão de titulo by joão pedro carvalho ( a.k.a - buchecha, ou bubu ou johnny ou.... )
sim, aposto q vc n lembrava disso joão xD mas eu n esqueci.

quinta-feira, 28 de maio de 2009

le roy des libellules






P.S - acho que n entendia muito de libélulas quando desenhei isso... foi meio de olho, vendo um exemplar da aula de biologia. Depois, vi algumas imagens na internet com mais atenção e li algumas coisas sobre elas. As asas tão parecidas, tão do jeito que eu vi, no dia, mas elas n são como as asas de um passaro, a parte de cima, de onde as penas do passaro saem, não existe nas libéluas e a asa delas é uma peça inteira. a asa n tem movimentação, ela n dobra, nem nada do tipo, o movimento todo vem do torso, o corpo da libélula. Mais sobre as patas, elas ficam curvadas pra frente, e não para traz e o " joelho " é ao contrário do que tá ai e são três de cada lado. O " rabo" é mais comprido tmbn. É isso. depois ponho outrsos desenhos. ^^

sobre girassois

Van gogh :




Alex :




quase igual né ?

xD


P.S : Alex = meu irmão mais novo

terça-feira, 26 de maio de 2009

Ídolo

Dave Mc Kean.

( acompanham coisinhas)

http://blaine.org/sevenimpossiblethings/?p=1599

http://en.wikipedia.org/wiki/Dave_McKean

o primeiro link tem uma coleção enorme de desenhos e trabalhos dele. amo todos

domingo, 24 de maio de 2009

asteca ? maia ? tédio.



na falta do que botar no blog, fotografo o meu caderno e coloquo a(s) foto(s) aqui.
de novo
em menos de uma semana.
bom, continua sendo arte né ?
eu gostei ^^
por hoje é só.
eu acho.





o ultimo post " inspiração", nem adianta escrever nada nele. sei lá, ficou bom assim.
é só tipo.. uma boa fonte de insipiração. vou usar depois.
botei ai pq achei bunitinho, espero que vocês gostem ( ou tenham gostado).


P.S I -> muito teste, vou ter que estudar muito agora. Que saco
P.S II -> meu computador faz um barulho insuportavél
P.S III -> n como bananas, nem mamão.
P.S IV -> qual o sentido do ultimo ps ? não sei.
P.S V -> só sei que n gosto nem de bananas nem de mamão
P.S VI -> muito grato por você ter lido o post ( ou não, mas continuo grato, por vc estar aqui, no meu blog)

quarta-feira, 20 de maio de 2009

inspiração I


















- há adicionar texto/ explicação depois -

P.S - comente, filosofe... sl .. só, boa sorte

vandalismo doméstico ...


legal né ? 

quero me mudar logo.. meu quarto vai ficar trancado quando eu não estiver nele.

por enquanto o videogame fica exposto na sala

nunca se sabe o que pode acontecer.

alias, esse é um controle de nintendo wii

que teve sua pontinha cosrtada pelo ilustre Alex.

também conhecido como meu clone

ou irmão.

comente ->

P.S - depois do ultimo post, falei que só ia por coisa amanha. Mas achei justo colocar mais d eum hoje, porque n boto nada a mt tempo.

caderno I


Ja uso esse caderno a algum tempo... xD

desenho com -> pilot + liquid paper

alguns arranhados ... mas ok continua legal

dai que eu tirei a idéia base pra logomarca do blog. Ainda não acabei de trabalhar ela, mas ela deve estar ali em baixo na direita, logo em baixo, ou em cima.. n sei .. das outras pessoas que me "seguem".

alias, me seguir seria bem simpático ...

amanha boto mais coisas, tipo... alguns desenhos que eu fiz nesse caderno.

cansei de usar o scanner, é um saco.

usar a maquina digital é bem mais rapido, e sai bem melhor o desenho.

quinta-feira, 7 de maio de 2009

peripécias em um restaurante japonês I / ou: sobre palitinhos e pequenos monstros....

Odeio ficar esperando a comida chegar em restaurantes ...

esse curto espaço de tempo é um dos mais chatos de todos.

Tão chato quanto quando vc está realmente com muita dor de barriga, ou dente, ou qualquer outro tipo de dor e tem que esperar a fila do médico, ou quando tem que esperar dar o tempo para poder sair da sala, quando vc acaba a prova muito rapido, ou quando sua internet cai no meio de uma conversa do msn e demora pra voltar.

- os ultimos dois são menos chatos em comparação aos primeiros.-

Sério.. quem gosta de ficar com fome, vendo as pessoas em volta comendo, sem poder comer nada ? E pior ainda, as vezes demora.

(por isso que as vezes self service é mais atraente do que cardápio ou rodízio... )

mas... bom, eu acabo arranjando um jeito de passar o tempo =]

Esse post é sobre isso... um pouco disso pelo menos.

histórinha :

Lá estava eu, era uma fria tarde de verão do Rio de Janeiro

Por volta de cinco da tarde, escuto um suspeito barulho vindo da sala. O telefone estava tocando.

Ao atender escuto a voz de minha mãe :

" Oi... filho ? ... quer ir no restaurante japonês hoje de noite ? "

Um leve pensamento passa pela minha cabeça :

" será que ela tem alguma razão especial ? "

e então, eu me lembro...

Dia seguinte era meu aniversário !

Então fomos lá, eu, minha mãe e a familia inteira para o restaurante japonês.Foi divertido.

Conversamos, sentamos, conversamos, pedimos a comida, conversamos e então ...

Percebemos que estávamos com fome.

Uma pesada faixa de tédio e ansiosidade baixou sobre as pessoas presentes na mesa, não podíamos esperar mais pela comida. Não sem fazer alguma coisa.

Cada um arranjou uma maneira de resolver o problema.

Meu irmão mais novo resolveu sair fazendo bagunça pelo restaurante, o que "salvou" meu pai, minha mãe e mais metade da família, que tiveram que tomar conta do pequeno.

meu primo ligou o ipod dele e ficou jogando um joguinho

meu avô encontrou uns amigos dele no restaurante. Impressionante como ele encontra amigos em todos os lugares onde ele vai ....

eu.. bom ... eu resolvi desenhar alguma coisa.

" Mas ... com o que ? caneta ? não, não tenho caneta. Sangue? não ... não é a melhor idéia. Espera... e que tal molho de soja ? "

gostei tanto do resultado que resolvi tirar algumas fotos.

coloco aqui a melhor foto.

Na hora eu realmente gostei muito... mas agora eu vejo diversos defeitinhos irritantes... que eu podia ter melhorado na hora.

tipo a sobrancelha que ficou muito grossa, ou o nariz que ficou uma tora bizarra... mas, pra molho de soja, eu acho que ficou razoavél. ^^

/\ original

/\ um pouco editada no photoshop

bom... é isso.

coment if possible ;]

P.S I : detalhe no pedaço de palitinho aparecendo no canto da imagem

P.S II : ingresso pra star trek na mão !!

P.S III : deu vontade de comer comida japonesa

P.S IV : to ferrado em quimica... vou estudar =]

P.S V : tem mais coisa feita em restaurantes, que eu vou botar mais tarde.

P.S VI : só para questão de registro, estudei duas sofridas horas de quimica hoje. ( a base de muito café )

domingo, 3 de maio de 2009

uma dia no jardim botânico I

Era carnaval. E eu, entusiasmado como sempre em sair e ficar no meio de enormes multidões, resolvi ir para o jardin botânico. tirar fotos.. ficar desenhando.. ver os animaisinhos ... essas coisas, carnavalescas. =]

não liguem pra planta de cabeça pra baixo.

na rua, e a carne suína ?

interrompemos de novo a programação para falar do meu companheiro lui

que saiu no mtv na rua. =O

( acompanha video )

sexta-feira, 1 de maio de 2009

O pote azul e seu conteudo estranho

Ok ok.

Uma dia, a uma semana , mais ou menos,  estavamos eu e três de meus amigos na minha casa jogando videogame, quando ao conversamos sobre coisas estranhas, uma coisa realmente estranha passou pela cabeça de um deles : um fluido não newtoniano. 

"wikipedia diz : Um fluido não-newtoniano é um fluido cuja viscosidade varia de acordo com o grau de deformação aplicado. Como conseqüência, fluidos não-newtonianos podem não ter uma viscosidade bem definida. A viscosidade de tais fluidos não é constante."

Explicando de forma mais simples .... quando você aplica uma força maior nele, um soco por exemplo, o fluido não newtoniano assume as características de um objeto sólido, mas, ao enfiar seu dedo devagar nele, o fluido não newtoniano demonstra-se um liquido.

É, relamente uma coisa realmente estranha.

Pesquisamos como fazer um. E acabamos descobrindo que é bem simples, na verdade, só é necessário  um pó bem fino e água, aplicados da proporção certa.

brincamos com o bizarro fluido não newtoniano por uma meia hora, até que meus amigos precisaram ir embora. Brinquei com ele por mais uma meia hora e então parei ... deixei ele em cima da pia e fui fazer meus afazeres diários(?). No dia seguinte, quando acordei fui brincar com ele de novo, e, para a minha surpresa, ele havia se tornado completamente sólido. Não entendi direito o porque, nem como... mas resolvi adicionar algum líquido, para que ele assumisse suas propriedades originais novamente.

resolvi então, ao invés de colocar água, colocar corante alimentício -verde e vermelho- 

Não funcionou... mas a aparência ficou bem simpática, algo assim : 

Eu vejo: 

- Um dinossauro

- Um incêndio em uma floresta

- O batman

- Um pequeno rato vermelho

- E mais algumas outras coisas 

e você ? 

quinta-feira, 30 de abril de 2009

lemony workshop I

I felt somewhat greenish today when it came into my mind to open the refrigerator and look for the greenest thing I could find and do something with it. 

Ended up with a beautifull round lemon, oh how i love lemons.

I thought about drawing in it, with my pen or some other fountain of paint.

But it didn't worked out that well.

So  I captured one small, but yet sharp, knife and started carving it !

Ended up with something that looks like this.




feels like some hands to me.

There where more things in it,but nothing much important.



It felt fine, as the hands hugged the lemon.

But still, it was not enougth.

So I ventured further away and used the full power of my little sharp friend





wonder how the poor lemon felt.

It might have seemed to be like something close to the construction of the Berlin wall.

Whole families ( in the case, of tastefull lemon juyce ) torn apart in less then a day's work. Splitted to two completely diferent lifestyles...

But still... the pictures looked very very nice.

-there it goes the socialist side .... -

 

Well, thats it for now peeps ^^  hope you've liked it as much as i did.

P.S: this lemonade needs more sugar 

more sugar